quinta-feira, 4 de setembro de 2014

Barreiro »» Karaté da SCR 1º Agosto Paivense - Inscrições Abertas

A Sociedade Cultura e Recreio 1º de Agosto Paivense recomeça este mês mais uma época da modalidade de Karate que tem vindo a crescer a obter resultados desportivos

Todas as terças e quintas a coletividade abre as portas ao Karaté nos seguintes horários:

Até aos 8 anos - 19h00 às 19h50
Mais de 9 anos - 19h50 às 21h00
Adultos (Karate Tradicional) - 20h30 às 21h30

Os nossos são devidamente credenciados pelo IPDJ
com
o Grau I e Grau III de Treinadores de Karaté.
Fonte: Rostos Online

2 comentários:

CINTO NEGRO disse...

Eximo(s)s. Sr(a)s.

Venho inquirir sobre a escola de Karaté Shotokan tradicional do Paivense nos Casquilhos, pois sou praticante desde 1976, iniciado na ADCPK pela mão do mestre Regino Santos 3.º Dan e posteriormente pela do mestre José Ramos 8.º Dan, Luis Sanz 8.º Dan, Peté Pacheco 8.º Dan JKA, Vilaça Pinto 8.º Dan, Sensei Taiji Kase 9.º Dan (Paris 4 anos).
Treinei ainda em estágios nacionais e internacionais com:
- Sensei Masatoshi Nakayama 9.º Dan (Falecido)
- Sensei Keinosuke Enoeda 9.º Dan (Falecido)
- Sensei Hidetaka Nishiyama 9.º Dan (Falecido)
- Sensei Masaaka Ueki 9.º Dan
- Sensei Mikio Yahara 9.º Dan
- Sensei Hirokazu Kanazawa 10.º Dan (único vivo como a graduação de Jyu-Dan em Shotokan tradicional)
- Sensei Tetsuhiko Asai 10.º Dan (Falecido)
- Sensei Katsutoshi Shiina 8.º Dan
- Sensei Tasuke Watanabe 8.º Dan
- Sensei Tatsuya Naka 7.º Dan
Entre tantos outros, uns já falecidos, outros ainda em acção.

Participei quando jovem em diversas competições de tradicional a nível Nacional, Europeu e 1 vez num Mundial em França, a minha base eram as Katas e o Bunkai, só em 4 ocasiões participei em Shiai-kumité tendo só obtido títulos a nível nacional e algumas boas prestações nos europeus, mas no Mundial, cheguei apenas às meias-finais.
A minha opção é mais a técnica e a sua performance executiva na dinâmica do Karaté e sua adaptação ao corpo humano e vice-versa, onde conjuntamente com o Professor doutor António Brito da FMH desenvolvemos alguns estudos sob a sua orientação, da eficácia do karaté em diversos níveis, desde os impactos ao controlo, passando pela velocidade e performance na procura da perfeição técnica que no fundo é a eterna busca do Karaté-dó "A Dinâmica Motora Humana Aplicada às Artes Marciais"

Sou treinador federado pela FNK-P de grau I desde 2008
Dei aulas desde 1990 (PJ - Lx, CTOE - Lamego, PSP - Lx, EDP Brr (desactivado desde 2001), AKDS - Brr, ASKP - Qta do Conde (terminei em Julho de 2015)
Desde então procuro um local oficial para treinar e poder colaborar se assim o entenderem no desenvolvimento técnico do Shotokan, pois deixei de concordar com a filosofia do CPK e o elitismo da ASKP.
Tenho 55 anos, uns joelhos com 90 anos (o Karaté nas décadas de 70 e 80 não era propriamente nem suave nem muito didáctico, mas sim severo quer nas condições quer no trato) mas mexo-me consideravelmente bem e uso actualmente mais o conhecimento do que a resistência, pois diante de jovens, temos de ser inteligentes.
Por incrível que pareça, fui apenas reconhecido em Portugal pelo CPK como 2.º Dan, quando da JKA em França era 4.º Dan, mas o CPK pertence à ITKF e assim não me aceitou à altura ombrear com os seus mais graduados, hoje poderia ser 6.º ou 7.º dan, mas o que interessa isso, não é nem o preto do cinto nem o número do dan que prova que o individuo que os possui é de facto um KARATEKA, mas sim a sua alma e dedicação à arte. Pois apesar de termos escolhido o Karaté como prática desportiva, ao fim de muitos anos, apercebemos-nos de que não fomos nós que o escolhemos, mas sim foi o KARATÉ quem nos escolheu e é até ao nosso último suspiro.
«Começam muitos intitulando-se como karatekas, mas apenas muito poucos e por vezes nem isso, chegam ao fim da sua vida como KARATEKAS"
"Taiji Kasé"
«As medalhas conquistadas e o seu brilho no GI, nada valem, face às medalhas que não brilham nem se vêm, porque estão dentro e não fora do peito do verdadeiro Karateka"
"Vilaça Pinto"

Não quero tratamento especial, nem procuro qualquer tipo de reconhecimento, apenas quero continuar a praticar com outros karatekas, dentro das minhas possibilidades e limites, porque tenho treinado sozinho, mas não é a mesma coisa.

Obrigado pela atenção e sintam-se à vontade para serem francos e honestos para comigo, afinal sou para vós um total estranho, ainda que não para os mais velhos na prática como Elias Santos, Carlos Maurício, Raul Machado, enfim pessoal que são os dinossauros do karaté no Barreiro.

Luís Lopes

CINTO NEGRO disse...

Esqueci de mencionar que tenho da FNK-P o grau 1 de treinador federado de Karaté